Ataques terroristas em Bruxelas: 10 pessoas serão julgadas pelos atentados de 2016

Dez suspeitos irão enfrentar o tribunal no segundo semestre do próximo ano por causa dos ataques terroristas de 2016 em Bruxelas, que deixaram 32 pessoas mortas. Um dos réus também estava supostamente envolvido nos ataques de 2015 em Paris.

Os ataques mataram 32 pessoas e feriram centenas de outras. (Fonte: Picture-alliance / dpa / Polícia Federal)

Dez suspeitos dos ataques terroristas de Bruxelas em 2016 serão julgados, anunciou um tribunal belga na terça-feira. Os réus incluem um cidadão francês que é o único suspeito sobrevivente dos ataques de 2015 em Paris. Eles devem comparecer a um tribunal belga no segundo semestre de 2022, após o término de um julgamento separado na França.

Em 2016, atentados suicidas no metrô e no aeroporto de Bruxelas mataram 32 pessoas e feriram centenas de outras. Três atacantes - todos de nacionalidade belga - morreram nas explosões. O grupo terrorista do Estado Islâmico (EI) assumiu a responsabilidade pelo ataque.

Três outros suspeitos tiveram suas acusações retiradas.

Os promotores solicitaram que oito dos 13 principais réus enfrentassem o Tribunal Criminal de Assizes - onde os crimes mais graves são julgados - sob a acusação de assassinatos e tentativas de assassinato em um contexto de terrorismo e por pertencer a um grupo terrorista.

No entanto, a Câmara do Conselho encaminhou todas as 10 pessoas acusadas a permitir apenas um julgamento sobre o assunto.

Ligação a Paris Entre os 10, está Salah Abdeslam, que supostamente desempenhou um papel importante nos ataques em Paris, bem como Mohamed Abrini, que saiu do aeroporto de Zaventem em Bruxelas depois que seus explosivos não detonaram.

Os investigadores suspeitam que a célula de Bruxelas pode ter entrado em ação antes do planejado, após a prisão de Abdeslam em Bruxelas em março de 2016.

Abdeslam, um cidadão francês, já foi condenado a 20 anos de prisão na Bélgica por ferir três policiais em um tiroteio antes de sua prisão.

O Tribunal de Recurso decidirá agora se o caso será ouvido pela Câmara de Acusação.

Em breve, estaremos esperando cinco anos para que as coisas sigam em frente, para ter resultados, Sylvie Ingels, que sobreviveu ao ataque ao aeroporto de Zaventem, disse às emissoras belgas na terça-feira.