Mãe da japonesa agradecida por Donald Trump falou sobre abdução em discurso na ONU

Donald Trump listou várias acusações contra a Coreia do Norte em seu discurso de terça-feira, dizendo em referência a Megumi, 'sabemos que ela sequestrou uma doce menina japonesa de 13 anos para escravizá-la como professora de línguas para espiões da Coreia do Norte' '.

Menina japonesa raptada, Megumi Yokota, Donald Trump, UNGA, discurso de Trump na ONU, notícias do mundo, Indian ExpressFotos de Megumi Yokota, uma garota japonesa sequestrada pela Coreia do Norte. Ela se tornou um símbolo de um movimento nacional para resolver a questão do sequestro. (Foto / arquivo AP)

A mãe de uma menina japonesa sequestrada pela Coreia do Norte está agradecida que o presidente dos EUA, Donald Trump, a mencionou em seu discurso na Assembleia Geral da ONU e espera que isso possa ser uma chance para um avanço.

Megumi Yokota foi sequestrada quando voltava da escola para casa após a prática de badminton em novembro de 1977. O governo do Japão reconhece 17 de seus cidadãos como abduzidos pela Coreia do Norte, e Megumi, que tinha apenas 13 anos na época, se tornou um símbolo de um movimento nacional para resolver o problema de abdução.

Fiquei realmente surpresa, mas foi ótimo, e sou grata a (Trump) por trazer a questão e colocá-la em palavras na frente daqueles representantes de todo o mundo, disse sua mãe, Sakie Yokota, aos repórteres na quarta-feira. Cada palavra sobre o assunto é uma chance. Eu acredito (palavras de Trump) teve um significado profundo para a questão.

Trump listou várias acusações contra a Coreia do Norte em seu discurso de terça-feira, dizendo em referência a Megumi, sabemos que ela sequestrou uma doce garota japonesa de 13 anos de uma praia em seu próprio país para escravizá-la como professora de idiomas para espiões da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte, após anos de negação, reconheceu em 2002 que seus agentes haviam sequestrado cidadãos japoneses para treinar espiões nas décadas de 1970 e 1980 e, finalmente, devolveram cinco deles. Ela disse que Megumi morreu e que outras pessoas nunca entraram na Coreia do Norte, mas o Japão contesta isso e está buscando mais investigações.