Príncipe jordaniano, irmão do falecido rei Hussein, morre aos 80

Sua morte chega em um momento difícil para a monarquia, um aliado ocidental que há muito é visto como um bastião da estabilidade, mas tem lutado para conter as consequências econômicas e de saúde da pandemia do coronavírus.

Nesta foto de arquivo de 4 de fevereiro de 2014, o bilionário saudita Príncipe Alwaleed bin Talal acena ao chegar à sede do presidente palestino Mahmoud Abbas na cidade de Ramallah, na Cisjordânia. (AP)

O príncipe da Jordânia, Mohammad bin Talal, o irmão mais jovem do falecido rei Hussein que serviu como seu príncipe herdeiro por 10 anos, morreu na quinta-feira aos 80 anos, disse o palácio real.

O príncipe ocupou vários cargos importantes na monarquia da Jordânia, incluindo como representante pessoal do Rei Abdullah II, que sucedeu Hussein após sua morte em 1999.

O príncipe Mohammad nasceu na capital da Jordânia, Amã, em 2 de outubro de 1940. Ele deixou sua esposa, a princesa Taghrid, e dois filhos de um casamento anterior. Seu funeral será realizado na sexta-feira.

Sua morte chega em um momento difícil para a monarquia, um aliado ocidental que há muito é visto como um bastião da estabilidade, mas tem lutado para conter as consequências econômicas e de saúde da pandemia do coronavírus.

No início deste mês, a monarquia foi abalada por uma rara rivalidade pública depois que o príncipe Hamzah, meio-irmão de Abdullah, foi colocado sob uma forma de prisão domiciliar e acusado de estar envolvido em um complô apoiado por estrangeiros. Hamzah afirmou que as autoridades estão tentando silenciar suas críticas à corrupção e à má governança.

Dias depois, Abdullah anunciou que a sedição havia sido cortada pela raiz e que a rixa com Hamzah fora resolvida dentro da família real.