Agência de drogas da ONU vota para remover cannabis da lista de drogas mais perigosas

A OMS recomendou afrouxar o controle sobre a cannabis, para tornar mais fácil a pesquisa sobre seu uso medicinal. Anteriormente, foi colocado na mesma categoria da heroína e dos opióides sintéticos.

Mais tarde, a polícia encontrou 44,36 kg de ganja no valor de Rs 9,57 lakh nos sacos de armas, acrescentou.

O corpo de políticas de drogas da ONU votou na quarta-feira para remover a maconha das drogas em sua maioria rigidamente controladas.

Os países membros da Comissão de Entorpecentes das Nações Unidas votaram por 27-25 para removê-lo do Anexo IV da Convenção Única sobre Entorpecentes de 1961, que permite proibições nacionais de drogas com propriedades particularmente perigosas. Um país se absteve de votar.

A cannabis estava anteriormente na mesma categoria da heroína, análogos do fentanil e outros opióides. A votação veio por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para tornar mais fácil a pesquisa sobre o uso medicinal da cannabis.

Pesquisa para uso médico

Em 2019, a OMS havia recomendado em um relatório que a cannabis e a resina de cannabis deveriam ser programadas em um nível de controle que evitará os danos causados ​​pelo uso de cannabis e, ao mesmo tempo, não atuará como uma barreira ao acesso e à pesquisa e desenvolvimento de preparação relacionada com a cannabis para uso médico.

No entanto, a comissão ainda não legalizou a cannabis. Ainda está listado entre as drogas que são altamente viciantes e passíveis de abuso.

A OMS recomendou que a cannabis ainda fosse listada no nível de controle da Tabela I, uma vez que reconheceu as altas taxas de problemas de saúde pública decorrentes do uso de cannabis.

A OMS também recomendou que os extratos e tinturas de cannabis fossem removidos da Lista I, o que não foi seguido pelo órgão da ONU.