Congressista dos EUA pede desculpas por filmar dentro da câmara de gás de Auschwitz

Higgins disse em um comunicado que retirou o vídeo em respeito àqueles que achavam que era errado ou causava dor. 'Minha intenção era oferecer uma homenagem reverente àqueles que foram assassinados em Auschwitz e lembrar ao mundo que o mal existe, que as nações livres devem se lembrar e permanecer firmes', disse ele.

Clay Higgins, memorial de Auschwitz-Birkenau, vídeo do campo de extermínio de Auschwitz, filme de Clay Higgins campo de extermínioFuncionários do Museu e Memorial de Auschwitz-Birkenau criticaram Clay Higgins por narrar parte de um vídeo de cinco minutos de dentro de uma antiga câmara de gás no campo de concentração nazista na Polônia. (Foto via AP, arquivo)

Um congressista dos EUA que foi criticado por filmar um vídeo dentro de uma antiga câmara de gás no campo de extermínio de Auschwitz se desculpou e removeu da mídia social na quarta-feira, dizendo que pretendia ser um tributo aos mortos no local controlado pelos nazistas. O representante Clay Higgins, um republicano da Louisiana, foi atacado pelo Museu e Memorial de Auschwitz-Birkenau na Polônia pelo vídeo de cinco minutos que filmou no campo onde mais de um milhão de pessoas foram assassinadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Higgins disse em um comunicado que retirou o vídeo em respeito àqueles que achavam que era errado ou causava dor.

Minha intenção era oferecer uma homenagem reverente àqueles que foram assassinados em Auschwitz e lembrar ao mundo que o mal existe, que as nações livres devem se lembrar e permanecer firmes, disse ele.

Higgins narrou parte do vídeo em frente aos trilhos da ferrovia, pilhas de sapatos deixados para trás por presidiários mortos, celas e crematórios. Ele então entrou na câmara de gás e descreveu como as pessoas foram mortas.

É por isso que a segurança interna deve ser eliminada, porque nossos militares devem ser invencíveis, disse Higgins, um ex-policial que atua no Comitê de Segurança Interna da Câmara dos Representantes.

No Twitter, o Memorial Auschwitz-Birkenau mostrou uma placa na entrada do prédio que convidava os visitantes a permanecerem em silêncio em respeito aos mortos ali pelas tropas SS.

Toda pessoa tem direito à reflexão pessoal. No entanto, dentro de uma antiga câmara de gás, deve haver um silêncio triste. Não é um palco, disse o memorial em um tweet separado na terça-feira.

Entre 1,2 milhão e 1,5 milhão de pessoas, a maioria deles judeus, foram mortos pelos nazistas em Auschwitz e seu campo de Birkenau vinculado.

O site de notícias NOLA.com disse que o vídeo de Higgins foi postado no sábado no canal da Lee Johnson Media no YouTube. O site se descreve como um podcast conservador olhando para a América de hoje!